Sobre os tipos de cursos de informática

Bem amigos da delegacia, estamos aqui para falar de um assunto que vem preocupando mais as família brasileiras do que as tentativas da loira babaca de dar o golpe no italiano gordo (e corno) na novela das oito que passa às nove: os cursos de Tecnologia da Informação e Comunicação (informática para os leigos) destinados a pessoa humana que paga suas contas em dia e contribui para o enobrecimento da família brasileira.

Inicialmente temos que definir os cursos em três tipos: os básicos, os intermediários (ou sai daqui e para de tentar ser nerd), e o avançado (ou sai daqui você é nerd e vai morrer).

  • Cursos básicos: é aquele curso que o seu pai paga para você um ano antes de te tirar da cama em um dia frio não para te levar para um bom lugar para ler um livro te mandar arrumar um emprego de faz tudo aprendiz em uma empresa que ele julgue descente. Em curso desses, você aprende coisas geniais como: Usar a tecla TAB, centralizar um texto sem usar a tecla SPACE freneticamente. Não costumam ser bons, mas quebram galhos, abrem portas em empresas enfim, é um MacGyver dos cursos de informática e são dominados por garotas gatas (só gatas), gurias muito feias ( só as horríveis), e nerds que vão ocupar o direito de aprender tudo o que for ensinado.
  • Cursos intermediários: definir e descrever esse tipo de curso é meio difícil, uma vez que eles costumam vir “embutidos” nos gloriosos cursos profissionalizantes da Microlins( aqueles que mais parecem um combo do Mac Donalds, tamanha a quantidade de coisas que se “aprende” neles) mas, ainda assim, iremos nos concentrar no estudos dos cursos que tem várias coisas para se aprender, e só ensinam informática( ou pelo menos tentam) ok? A verdade, é que nesses cursos, você aprende algo além de centralizar um texto sem usar a tecla de espaço: você aprende a usar o painel de controle! Sim meus amigos! E de brinde, ainda ganha o direito de conseguir instalar aquele Counter Strike maroto com crack e tudo mais. O interessante desses cursos, é que você começa a descobrir quem são os nerds e quem gosta dos estudos das informáticas da vida(mas isso é assunto para um outro post).
Fiquei tres dias buscando a legenda para essa imagem. Deixo ao cargo de vocês esse trabalho agora!

  • Sai daqui você é nerd: é aqui que as pessoas humanas exercem a sua essência nerd. Se a pessoa sobrevive a um curso desses até o final, ela é nerd. Cursos assim possuem uma característica um tanto quanto (@dayvidbragra TM) interessante acerca da beleza das mulheres: quanto maior o curso, e menor o número de mulheres na sala, mais belas elas são. MESMO.

Em breve voltamos para falar dos tipos de alunos que nós encontramos lá, fiquem ligadinhos.

 

 

Anúncios

Descobrindo os setes mares por trás das músicas de Tim Maia ( parte I)

Sebastião Maia, também conhecido como Tim Maia, é um artista cuja carreia não foi interrompida prematuramente, e sim abruptamente. Suas músicas balançaram o amor de diversas gerações. Nesta primeira parte da nossa análise INOVADORA que fora feita de uma maneira que nunca antes na história desse pais alguém imaginou fazer e totalmente isenta de sensacionalismo, veremos a verdade por trás dos gritos, os bastidores da musica e genialidade alheia.

Pra que olhar 43 quando se tem ISSO?

E começaremos por “Sossego”, música que eu não sei quando foi lançada, e também não pretendo saber e/ou procurar( brincadeira, foi no álbum Disco Club de 1978) saber e que demonstra uma total falta de preocupação do artista com a vida, com os bons costumes e com a contribuição com o estado. Veja bem:

“Ora bolas, não me amole/ Com esse papo, de emprego/ Não está vendo, não estou nessa/ O que eu quero?/ Sossego, eu quero sossego/ O que eu quero? Sossego (4x)”

Letra simples não? O que muitos não percebem, é que a letra mostra não só uma falta de preocupação do cantor com a moral e com os bons costumes, mas também com a contribuição para o crescimento da economia dessa nossa próspera nação, e com a facilidade do mesmo em obedecer ordens alheias. Um pseudo anarquista de merda, essa é a verdade.

O sorriso no olhar da criança feliz, a gente vê por aqui.

Outra música que porta em sua letra, mensagens subliminares, com significado dúbio, malicioso, e imoral é “ Vale Tudo”:

“Vale, vale tudo/ Vale, vale tudo/ Vale o que vier/ Vale o que quiser/ Só não vale/ Dançar homem com homem/ Nem mulher com mulher,/ O resto vale”

Para a grande maioria das pessoas, esse sucesso apenas narra uma festa e o que é permitido nela. Para a grande maioria. Nós não somos a maioria. Nós somos aquela minoria que sabe das coisas. E é por isso que conseguimos ver a verdade por trás dessa música, na qual o artista demonstra um grande preconceito para com os gays, reprimindo que estes sensualizem uns com os outros. Em contra partida, ele permite que casai heterossexuais façam o que quiserem. Um absurdo, um completo absurdo. Não contente, ele permite que em shows, a pouca vergonha aconteça independentemente das escolhas sexuais do indivíduo, ao dizer que “ depois da meia noite, está liberado geral”, como mostra o vídeo abaixo:

Não vou entrar no mérito da pouca vergonha que o cantor permite, em ambos os casos, por que né?

Para encerrar a primeira parte do nosso texto, deixo com vocês com um trecho e com o áudio da música “ O que vem da Bahia”, lançada no disco “ Voltou a Clarear”.

“O que vem da Bahia iei ei/ O que vem da Bahia io io/ O que vem da Bahia ia ia/ O que vem da Bahia é do bom/ É do bom.É do bom”

Bom, existe um certo produto, que muitas vezes tem qualidade assinalada pela expressão “do bom”. Não precisa dizer mais nada né?

Sobre a falta de posts.

Fiquem tranquilos senhoras e senhores, a falta de posts se devem a uma falta de criatividade( primeiro motivo), a falta de internet( segundo motivo), e a falta de capacidade e vontade de terminar e passar para o computador os próximos três posts que este blog maroto receberá. Fiquem ligadinhos pois até o final da semana tem coisa boa aqui.