Por entre copos de bebida, sorrisos amarelos e sonhos lúcidos( Parte Final)

04:40

Então a música acaba. Ele bebe mais um gole da sua bebida. Deixa a taça cair no chão, se despedaçando e se misturando ao vinho espalhado pelo chão da sala. Começa a tocar Mystery Train. Ele jamais conseguiria se esquecer da sequencia “Mystery Train-Away in Índia-Crossroads” daquele álbum. Ele jamais poderia se esquecer dessa sequência mágica. E voltou a cantar, a rodopiar, como se não existisse mais vida além daquilo. Depois daquilo.

E pouco importava se haviam cacos no chão. Pouco importava se eles se entranhavam por entre a sua carne fria, rasgando suas veias. Num rodopio caiu sobre a cama da sala. Respiração ofegante. Os pés ardem, doem, sangram. Mãos sobre a barriga. Olha para o teto, olha para aquela taça sobre a sua barriga. Encaminha a taça até a sua boca, engole o que resta de bebida, sem se importar com o que escorre pelo canto da boca. Lágrimas escorrem pelo seu rosto e a última coisa que dele seria possível ouvir naquela noite, seria a mistura de uma risada desesperada clamando ódio e amor com o sussurrar de um trecho daquela longa música.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s